PRO

GRA

MA

ÇÃO

23 nov | Seg | 16h
DEBATE: Estratégias para ampliação do acesso ao acervo audiovisual brasileiro.
Com Débora Butruce (presidenta da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual –
ABPA), Hélio Ferraz (Diretor do Departamento de Políticas Audiovisuais Secretaria Nacional do Audiovisual (SAV)), Luiz Carlos Barreto (produtor e cineasta), Marise Farias (Acervo RF Farias e cineasta), Luiz Sergio Pereira (presidente da Associação Cultural do Arquivo Nacional –ACAN).
Mediação: Neide De Sordi (diretora do Arquivo Nacional).


Neide De Sordi
Bibliotecária e mestre pela Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de
Brasília. Diretora do Arquivo Nacional e analista judiciária aposentada do Superior
Tribunal de Justiça. Foi diretora executiva do Departamento de Pesquisas Judiciárias do
Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Secretária de Pesquisas e Informação Jurídicas do
Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal (CJF).

Débora Butruce
Preservadora audiovisual, pesquisadora e produtora cultural. Doutoranda no Programa
de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA-USP, foi Visiting Scholar
na NYU, no Moving Image Archiving and Preservation Program. Membro fundador da
Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA), integra a diretoria desde
2014, sendo a atual presidenta. 


Luiz Carlos Barreto

Diretor, produtor, roteirista e diretor de fotografia. É considerado um dos maiores produtores cinematográficos do Brasil. Foi repórter e fotógrafo da revista O Cruzeiro. Atuou como co-autor do roteiro e co-produtor do filme Assalto ao Trem Pagador (1962), dirigido por Roberto Farias. É um dos grandes nomes do Cinema Novo, que revolucionou a produção cinematográfica brasileira. Com sua mulher Lucy Barreto, detêm a marca da produção de mais setenta filmes brasileiros de curta e longa-metragens.


Luiz Sergio Pereira
Cientista Social com experiência em gestão de projetos e programas sociais com
passagem por empresas nacionais e internacionais. Especialização em Gestão de Bens
culturais e expertise na captação de recursos. Por meio de consultorias e parcerias
viabilizou o financiamento de diversos projetos culturais, ações de voluntariado local e
internacional.


Marise Farias
Graduada em Desenho Industrial pela PUC – Rio e Pós-graduação em Cinema pela
Estácio de Sá. Trabalha no mercado audiovisual com edição de filmes, direção de
documentários e curtas. Atualmente trabalha em documentário sobre a vida e obra de
seu pai, Roberto Farias. Em 2017-2018, produziu, dirigiu e editou o curta “Um cortejo
para a grande alma”.

Hélio Ferraz
Diretor do Departamento de Políticas Audiovisuais Secretaria Nacional do Audiovisual (SAV) / Secretaria Especial da Cultura / Ministério do Turismo), advogado e empresário.


24 nov | Ter | 14h
OFICINA: Técnicas para digitalização de documentos sonoros, com Clenilson Miranda
(Arquivo Nacional).
Inscrições encerradas. Confira em seu e-mail a confirmação de sua inscrição.
Ementa: história da evolução dos suportes sonoros, noções básicas da onda sonora e
do registro do som em diversos suportes, equipamentos de reprodução (tipos e
características), técnicas para digitalização de documentos analógicos (preparação dos
suportes e dos equipamentos de reprodução, configuração mínima do PC, software
para captura, formatos dos representantes digitais e derivados e problemas/soluções
durante a digitalização) e boas práticas para a preservação dos suportes.


25 nov | Qua | 14h
DEBATE: Mostra Arquivos do Amanhã
com Lindielly Brandão (aluna participante da Mostra 2020) e Ygor Lioi (professor de
escola participante da Mostra 2020). Mediação: Claudia Tebyriçá (Arquivo Nacional)


26 nov | Qui | 14h

OFICINA: Preservação de documentos audiovisuais, com Mauro Domingues (Arquivo
Nacional).
Inscrições encerradas. Confira em seu e-mail a confirmação de sua inscrição.


Ementa: noções básicas de preservação de documentos audiovisuais, com abordagem
sobre os diversos materiais existentes em um arquivo de filmes, características
técnicas, identificação do processo de deterioração e obsolescência, controle
ambiental das áreas de guarda e processos de reformatação fotoquímico e digital.


Mauro Domingues
Arquivista com experiência em preservação audiovisual desde 1986 – no Centro
Técnico Audiovisual (CTAV), Arquivo Nacional e no laboratório de restauração da
filmoteca da Universidade Nacional Autônoma do México (Unam). Membro da
Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA) e da diretoria do Centro de
Pesquisadores do Cinema Brasileiro (CPCB).


27 nov | Sex | 14h
DEBATE: Instituições de memória e os registros da pandemia
com Beatriz Kushnir (Arquivo Geral da Cidade), Luciana Heymann (Fiocruz) e Rogério
Oliveira (Projeto Inumeráveis).
Mediação: Aluf Elias (Arquivo Nacional)


Beatriz Kushnir
Doutora em história (Unicamp), diretora do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
e membro do corpo docente do Programa de Pós-graduação em Gestão de
Documentos e Arquivos (PPGarq).


Luciana Heymann
Pesquisadora do Departamento de Arquivo e Documentação da Casa de Oswaldo Cruz
(COC/Fiocruz) e professora dos mestrados profissionais em Preservação e Gestão do
Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde (COC/Fiocruz) e Gestão de Documentos e
Arquivos (Unirio). Coordena o projeto Arquivos da pandemia: memórias da
comunidade Fiocruz.


Rogério Oliveira
Rogerio Oliveira é empreendedor social e um dos idealizadores do Projeto Inumeráveis, memorial dedicado à história de cada uma das vítimas do coronavírus no Brasil. Palestrante Internacional, colunista, mentor de empreendedores, especialista nos temas Felicidade no Trabalho, Inovação Social e Cidade para Pessoas.  Fundou em sociedade com o Prêmio Nobel da Paz, Muhammad Yunus,  a Yunus Negócios Sociais Brasil.


Aluf Alba Elias
Aluf Alba Elias é arquivista e doutora em ciência da informação pela Universidade de
Brasília. Coordenadora-geral de Processamento e Preservação do Acervo do Arquivo
Nacional, atua na área de arquivologia com ênfase na curadoria, no assessoramento e
na gestão de serviços e atividades relacionadas aos arquivos permanentes e coleções
históricas.

30 nov | Seg | 14h
DEBATE: Arquivo Faz Escola
Debate sobre o filme Jovens e seu potencial criativo na resolução de conflitos
com Maria Mostafa, Soraia Melo e Bruno Ganem.
Mediação: Claudia Tebyriçá


Maria Mostafa
Historiadora, mestre em saúde coletiva, doutoranda em políticas públicas e formação
humana pela Uerj. Desde 2011 colabora com o Cecip em diferentes projetos. Foi
facilitadora e coordenadora do projeto “Jovens e seu potencial criativo na resolução de
conflitos”.


Soraia Melo
Jornalista, mestre em educação, cultura e comunicação em periferias urbanas pela
Uerj. Desde 2011, trabalha no Cecip como facilitadora e articuladora em projetos de
cultura de paz e primeira infância. É professora de comunicação no curso de formação
profissional do Instituto ORT e investigadora, brincante, do maracatu.


Bruno Ganem
Doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Educação da UNIRIO, mestre em
educação, cultura e comunicação em periferias urbanas pela Uerj. Atua como
pesquisador no Núcleo de Estudos e Pesquisas em Diferenças, Educação, Gênero e
Sexualidades (NuDES) da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF). Foi
facilitador do projeto “Jovens e seu potencial criativo na resolução de conflitos”.


Claudia Tebyriçá
Artista plástica e pedagoga, supervisora da equipe de Educação do Arquivo Nacional.


1 dez | Ter | 14h
DEBATE: Encontro de pesquisadores de audiovisual
com Eloá Chouzal, Helena Tassara, Julia Zylbersztajn, Laura Tusi, Marcio Selem, Maria
Byington, Nataraj Trinta, Patricia Pamplona e Priscila Serejo. Mediação: José Quental


Eloá Chouzal
Pesquisadora audiovisual, bacharel em história pela FFLCH/USP e pós-graduada em
cinema documentário pela FGV. Foi catalogadora/pesquisadora na cinemateca da TV
Cultura/SP, assim como no centro de documentação da editora Abril. Atua como
profissional há trinta anos realizando pesquisas para documentários, filmes de ficção,
museus, exposições e séries.

Helena Tassara
É socióloga, cineasta e pesquisadora. Doutora, com pós-doutorado, em cinema
(ECA/USP), atua na pesquisa (de conteúdo, iconografia e materiais audiovisuais) e na
curadoria, criação, direção e execução de projetos culturais e de comunicação
(audiovisuais, impressos, multimídias, exposições e museus).


José Quental
Graduado em história (UFF), mestre em cinema (UFF). Doutorando em cinema
(Université Paris 8, França). Coordenador da cinemateca do MAM e cocurador da
temática preservação da Mostra de Cinema de Ouro Preto (CineOP). Foi chargé de
cours na Université Paris 8 (Cinéma – 2016-2017) e membro do Comitê Nacional do
Brasil do Programa Memória do Mundo da Unesco (2011-2015).


Julia Zylbersztajn
Cientista social formada pela PUC-Rio com complementação de estudos em
antropologia da arte e da cultura e pós-graduada em documentário pela Faculdade de
Comunicação da FAAP. Desde 2008, atua principalmente como pesquisadora para
projetos audiovisuais, tendo passado por diversas produtoras e produções. Entre 2016
e 2018, fez parte da equipe do Videocamp, projeto do Instituto Alana.


Laura Tusi
Nasceu em Buenos Aires, onde estudou Artes Combinadas (UBA). Trabalha como
pesquisadora e produtora em arquivos desde 2008. Neste papel, colabora com
artistas, diretores e produtores de cinema e televisão na investigação de fontes,
contribuindo com conteúdos arquivístico necessários para seus projetos, nas
condições legais adequadas. Leciona no Seminario Uso del archivo en el documental.
na UNTREF.


Marcio Selem
É jornalista e pesquisador, com mais de dez anos de atuação no mercado audiovisual e
editorial. Foi o responsável pela pesquisa de conteúdo e imagens para dezenas de
projetos na área audiovisual, entre os quais destacam-se os documentários
Democracia em Preto e Branco e Geraldinos. Desde de 2006, é pesquisador do Acervo
da TV Globo.


Maria Byington
Desenvolve a pesquisa “Televisão brasileira: acervos, acesso, preservação e uso” no
mestrado profissional em Memória e Acervos - Fundação Casa de Rui Barbosa
(PPGMA/FCRB), é membro da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual,
colaborou na tradução do Guia de arquivamento de vídeo para ativistas (Witness.org).
Trabalha no DAA/TV Globo como pesquisadora de conteúdo audiovisual, desde 2010.

Nataraj Trinta
Historiadora, desenvolve conteúdos na N30 Pesquisas Editorial. Editora iconográfica da
Revista de História/Biblioteca Nacional de 2007 até 2010. Pesquisadora da publicação
de 2006 a 2014. Cocuradora em 2015 da mostra Tarsila e Mulheres Modernas no Rio,
no MAR. Desde 2017, é historiadora responsável pelo Centro de Memória Procurador
de Justiça João Marcello de Araújo Júnior/MPRJ.


Patricia Pamplona
Jornalista (PUC-Rio), pós-graduada em filosofia (PUC-Rio) e mestranda em
comunicação social na ECO-UFRJ. Autora de livros sobre a história do Rio de Janeiro.
Trabalha com pesquisa histórica e de imagem para filmes, livros e exposições.
Participou de mais de trinta documentários para TV e cinema e de quinze projetos
expositivos para o Museu do Amanhã, Museu do Futebol e Instituto Moreira Salles.

Priscila Serejo
É pesquisadora. Formada em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro –
UERJ. Atua desde 2005 em atividades de pesquisa histórica, de conteúdo e de imagem
para publicações, exposições, projetos multimídias, cinema e TV. É co-autora do livro
A História do Trabalho no Porto do Rio de Janeiro, de Pedro Tinoco (2019) pela ID
Cultural.


2 dez | Qua | 14h
Homenagem a Suzana Amaral
com Myrna Brandão (Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro), Nicole Algranti
(cineasta) e Mauro Domingues (Arquivo Nacional).
Mediação: Antonio Laurindo (Arquivo Nacional)


Myrna Brandão
Jornalista, Pesquisadora, Escritora e Crítica de Cinema. Presidente do Centro de
Pesquisadores do Cinema Brasileiro (CPCB). Coordenadora da restauração de sete
clássicos do Cinema Brasileiro. Diretora Cultural da Associação Brasileira de Recursos
Humanos (ABRH-RJ). Editora dos sites www.cpcb.org.br e www.mccinema.com.br.


Nicole Algranti
Documentarista, fotógrafa, formada em Cinema pela Universidade Estácio de Sá, produtora cinematográfica, professora de cinema. Viveu no Acre, região mais ocidental da Amazônia brasileira nos anos 90, onde realizou inúmeros projetos audiovisuais com povos indígenas e a gravação de discos de música tradicionais, além de assessorar projetos culturais e ambientais indígenas até hoje.


Mauro Domingues
Arquivista, com experiência no Centro Técnico Audiovisual (CTAV) e no Arquivo
Nacional, com estágio no laboratório de restauração da filmoteca da Universidade
Nacional Autônoma do México (Unam). Membro da Associação brasileira de

preservação audiovisual (ABPA) e da diretoria do Centro de Pesquisadores do Cinema
brasileiro (CPCB).


Antonio Laurindo
Graduado em Arquivologia, especialista em História Moderna e mestre em Ciência da
Informação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Curador das edições 2015, 2016,
2017 e 2018 do Arquivo em Cartaz – Festival Internacional de Cinema de Arquivo. Arquivista do Arquivo Nacional, atuando como Coordenador de Documentos Audiovisuais e Cartográficos, e graduando em Biblioteconomia e Documentação na Universidade Federal Fluminense (UFF).

3 dez | Qui | 14h
ENCERRAMENTO E PREMIAÇÃO
Anúncio dos vencedores de cada categoria e exibição de peça de teatro virtual.


Categorias da Mostra Competitiva:
Melhor filme júri popular
Melhor longa-metragem
Melhor média-metragem
Melhor curta-metragem
Melhor pesquisa
Melhor uso de material de arquivo – Prêmio Jurandyr Noronha


Categorias da Mostra Lanterna Mágica:
Melhor filme júri popular
Melhor filme